Adaptações De Anfíbios E Répteis À Vida Subterrânea

Reza April 4, 2022
From Water to Land 10 Amazing Types Of Amphibians

Algumas espécies de anfíbios e répteis desenvolveram adaptações que os permitem sobreviver em ambientes subterrâneos. Essas adaptações incluem modificações em sua anatomia, fisiologia e comportamento.

Anfíbios

Os anfíbios que vivem em ambientes subterrâneos geralmente pertencem às famílias Bufonidae e Plethodontidae. Essas espécies têm uma série de adaptações que os ajudam a se mover e sobreviver em ambientes subterrâneos.

Modificações Anatômicas

Os anfíbios subterrâneos geralmente têm corpos alongados e pernas reduzidas. Essas modificações permitem que eles se movam facilmente através de espaços estreitos e sejam eficientes em ambientes com pouco espaço para manobra. Alguns exemplos de anfíbios subterrâneos com modificações anatômicas incluem:

  • Caecilians: Esses anfíbios parecem com vermes e têm corpos cilíndricos e escamas que lhes permitem se mover facilmente através do solo.
  • Salamandras sem pulmões: Essas salamandras não têm pulmões e respiram através da pele. Isso significa que eles não precisam de muito espaço para respirar e podem se mover facilmente em ambientes subterrâneos.
  • Rãs sem língua: Algumas espécies de rãs subterrâneas não têm língua, o que significa que elas não precisam de espaço para estender a língua para capturar presas.

Modificações Fisiológicas

Alguns anfíbios subterrâneos têm adaptações fisiológicas que lhes permitem sobreviver em ambientes com pouco oxigênio. Essas adaptações incluem:

  • Capacidade de fixar oxigênio: Alguns anfíbios subterrâneos têm uma forma de hemoglobina em seu sangue que lhes permite fixar mais oxigênio do que outras espécies. Isso significa que eles podem sobreviver em ambientes com pouco oxigênio.
  • Redução da taxa metabólica: Alguns anfíbios subterrâneos têm taxas metabólicas mais baixas do que outras espécies. Isso significa que eles podem sobreviver com menos comida e oxigênio do que outras espécies.

Modificações Comportamentais

Os anfíbios subterrâneos têm comportamentos adaptativos que os ajudam a sobreviver em ambientes subterrâneos. Algumas dessas adaptações incluem:

  • Atividade noturna: Muitos anfíbios subterrâneos são noturnos, o que lhes permite evitar a luz solar forte e se mover com mais facilidade em ambientes escuros.
  • Diapausa: Algumas espécies de anfíbios subterrâneos entram em um estado de diapausa durante períodos de seca ou falta de alimentos. Isso lhes permite sobreviver até que as condições melhorem.

Répteis

Os répteis subterrâneos geralmente pertencem às famílias Typhlopidae e Amphisbaenidae. Essas espécies têm uma série de adaptações que lhes permitem sobreviver em ambientes subterrâneos.

For more information, please click the button below.

Modificações Anatômicas

Os répteis subterrâneos têm corpos alongados e sem pernas. Essas modificações permitem que eles se movam facilmente através de espaços estreitos e sejam eficientes em ambientes com pouco espaço para manobra. Alguns exemplos de répteis subterrâneos com modificações anatômicas incluem:

  • Cobras cegas: Essas cobras têm olhos vestigiais e não podem ver. Elas usam seu olfato para encontrar presas e se mover em ambientes escuros.
  • Verdadeiras cobras cegas: Essas cobras não têm olhos e são completamente cegas. Elas têm escamas especiais que lhes permitem sentir vibrações no solo e se mover com facilidade através do solo.
  • Amphisbaenas: Esses répteis têm corpos alongados e sem pernas. Eles podem se mover facilmente através do solo e têm dentes curvados para ajudá-los a se alimentar de presas subterrâneas.

Modificações Fisiológicas

Os répteis subterrâneos têm adaptações fisiológicas que lhes permitem sobreviver em ambientes com pouco oxigênio. Essas adaptações incluem:

  • Capacidade de fixar oxigênio: Alguns répteis subterrâneos têm uma forma de hemoglobina em seu sangue que lhes permite fixar mais oxigênio do que outras espécies. Isso significa que eles podem sobreviver em ambientes com pouco oxigênio.
  • Redução da taxa metabólica: Alguns répteis subterrâneos têm taxas metabólicas mais baixas do que outras espécies. Isso significa que eles podem sobreviver com menos comida e oxigênio do que outras espécies.

Modificações Comportamentais

Os répteis subterrâneos têm comportamentos adaptativos que os ajudam a sobreviver em ambientes subterrâneos. Algumas dessas adaptações incluem:

  • Atividade noturna: Muitos répteis subterrâneos são noturnos, o que lhes permite evitar a luz solar forte e se mover com mais facilidade em ambientes escuros.
  • Diapausa: Algumas espécies de répteis subterrâneos entram em um estado de diapausa durante períodos de seca ou falta de alimentos. Isso lhes permite sobreviver até que as condições melhorem.

Conclusão

Algumas espécies de anfíbios e répteis são adaptadas à vida subterrânea. Essas espécies têm modificações anatômicas, fisiológicas e comportamentais que lhes permitem sobreviver em ambientes subterrâneos com pouco espaço e pouco oxigênio.

FAQs

1. Quais são algumas das adaptações anatômicas que permitem que os anfíbios subterrâneos se movam com facilidade?

Os anfíbios subterrâneos geralmente têm corpos alongados e pernas reduzidas. Essas modificações permitem que eles se movam facilmente através de espaços estreitos e sejam eficientes em ambientes com pouco espaço para manobra.

2. Como os répteis subterrâneos encontram suas presas se não podem ver?

Os répteis subterrâneos usam outros sentidos, como o olfato e a capacidade de sentir vibrações no solo, para encontrar suas presas.

3. Como a diapausa ajuda os anfíbios e répteis subterrâneos a sobreviver em ambientes difíceis?

A diapausa é um estado de dormência em que o metabolismo do animal é reduzido. Isso significa que o animal precisa de menos comida e oxigênio para sobreviver. A diapausa permite que os anfíbios e répteis subterrâneos sobrevivam durante períodos de seca ou falta de alimentos.

Related video of alguns anfíbios e répteis são adaptados à vida subterrânea

Reza Herlambang

Eu sou um escritor profissional na área de educação há mais de 5 anos, escrevendo artigos sobre educação e ensino para crianças na escola.

Leave a Comment

Artikel Terkait