"Afasta De Mim Esse Cálice": Uma Análise Sobre A Música De Chico Buarque

Reza March 8, 2022
Afaste de mim esse calice

Introdução

“Afasta de mim esse cálice” é uma das músicas mais emblemáticas de Chico Buarque. Lançada em 1973, a canção foi censurada pela ditadura militar e só foi liberada para ser tocada em 1978. O título da música é uma referência à passagem bíblica em que Jesus pede a Deus para afastar dele o cálice da crucificação. Porém, a letra de Chico Buarque traz uma interpretação diferente desse pedido, fazendo uma crítica à repressão política e à censura durante a ditadura.

A letra da música

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue…

Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor, engolir a labuta?
Mesmo calada a boca, resta o peito
Silêncio na cidade não se escuta
De que me vale ser filho da santa?
Melhor seria ser filho da outra
Outra realidade menos morta
Tanta mentira, tanta força bruta…

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue…

Como é difícil acordar calado
Se na calada da noite eu me dano
Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada, prá a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa…

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue…

For more information, please click the button below.

De muito gorda a porca já não anda
De muito usada a faca já não corta
Como é difícil, pai, abrir a porta
Essa palavra presa na garganta
Esse pileque homérico no mundo
De que adianta ter boa vontade?
Mesmo calado o peito, resta a cuca
Dos bêbados do centro da cidade…

Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue…

Análise da letra

A letra de “Afasta de mim esse cálice” é uma crítica à repressão política e à censura durante a ditadura militar no Brasil. A imagem do cálice é uma referência à crucificação de Jesus Cristo, em que ele pede a Deus para afastar dele o cálice da morte. Porém, na música de Chico Buarque, o cálice representa a opressão do regime militar sobre o povo brasileiro. No primeiro verso da música, Chico Buarque pede a Deus para afastar dele esse cálice de vinho tinto de sangue. Essa expressão faz uma alusão à violência e à morte que eram comuns durante a ditadura militar. O vinho tinto representa o sangue derramado pelos oprimidos, enquanto o cálice simboliza a opressão e a censura. Na segunda estrofe, Chico Buarque questiona como é possível beber dessa bebida amarga e engolir a labuta, ou seja, como é possível viver sob um regime tão opressor e violento. Ele também critica a falta de liberdade de expressão, dizendo que mesmo calada a boca, resta o peito e que o silêncio na cidade não se escuta. Na terceira estrofe, Chico Buarque fala sobre a dualidade entre a realidade e a mentira, entre a opressão e a força bruta. Ele questiona a validade de ser filho da santa, ou seja, de ter uma imagem de santidade e pureza, em contraposição à realidade violenta e opressora. Na quarta estrofe, Chico Buarque fala sobre a dificuldade de se expressar em um regime de censura. Ele diz que é difícil acordar calado e que precisa lançar um grito desumano para ser escutado. Ele também fala sobre o monstro da lagoa, que representa a tirania e a opressão do regime militar. Na quinta estrofe, Chico Buarque fala sobre a dificuldade de se expressar em um regime de censura. Ele diz que é difícil acordar calado e que precisa lançar um grito desumano para ser escutado. Ele também fala sobre o monstro da lagoa, que representa a tirania e a opressão do regime militar. Na sexta e última estrofe, Chico Buarque fala sobre a dificuldade de se expressar em um regime de censura. Ele diz que é difícil abrir a porta e que a palavra fica presa na garganta. Ele também fala sobre o pileque homérico no mundo, ou seja, sobre a embriaguez que é causada pela opressão e pela falta de liberdade.

Conclusão

“Afasta de mim esse cálice” é uma das músicas mais importantes da carreira de Chico Buarque e uma das mais emblemáticas do período da ditadura militar no Brasil. A letra da música representa uma crítica contundente à repressão política e à censura que eram comuns durante o regime militar. A imagem do cálice de vinho tinto de sangue simboliza a violência e a morte que eram constantes naquele período. A música é um exemplo de como a arte pode ser usada para questionar e criticar a opressão e a tirania.

FAQs

1. Qual é o significado do cálice na música?

O cálice na música simboliza a opressão e a censura que eram comuns durante a ditadura militar no Brasil. A imagem do vinho tinto de sangue representa a violência e a morte que eram constantes naquele período.

2. Por que a música foi censurada pela ditadura militar?

A música foi censurada pela ditadura militar por causa da crítica contundente que fazia ao regime. A imagem do cálice de vinho tinto de sangue e as referências à morte e à violência foram consideradas subversivas pelo regime.

3. Qual é a importância de “Afasta de mim esse cálice” na história da música brasileira?

“Afasta de mim esse cálice” é uma das músicas mais importantes da história da música brasileira. Ela representa uma crítica contundente à ditadura militar e é um exemplo de como a arte pode ser usada para questionar e criticar a opressão e a tirania. Além disso, a música é considerada uma obra-prima da poesia brasileira e foi interpretada por vários artistas ao longo dos anos.

Related video of afasta de mim esse cálice

Reza Herlambang

Eu sou um escritor profissional na área de educação há mais de 5 anos, escrevendo artigos sobre educação e ensino para crianças na escola.

Leave a Comment

Artikel Terkait